Buscar
  • Dana Guedes

A #PatroaDaSemana chega arrebentando: Abby de The Last of Us 2


Ninguém tem dúvidas que “The Last of Us 2” é um dos melhores e mais ousados jogos da atualidade, que chegou com os dois pés no peito para mostrar que não existe um lado 100% certo em um conflito, apenas o lado de quem está contando a história. Esse é um jogo que aborda a sobrevivência de todas as maneiras possíveis: com as lutas, sim, mas especialmente as questões morais. Os fins justificam os meios? Quando é hora de parar um ciclo de vingança e violência sem fim?


E no meio disso tudo chega ela, a maravilhosa Abby, capaz de deitar qualquer um no soco com seus braços maravilhosos. E é sobre ela que a gente vai falar hoje (sem spoilers, não se preocupem!)

Abigail Anderson, ou Abby, como é chamada ao longo do jogo, é uma das protagonistas do game, dividindo o spotlight com a já conhecida Ellie. Ela fazia parte dos Fireflies – a facção do primeiro jogo que supostamente buscava pela cura da doença que dizimou o mundo – mas como logo ficamos sabendo, os Fireflies não existem mais e a personagem se uniu a uma outra organização, o WLF.


Diferente do pequeno grupo que conhecemos no primeiro The Last of Us, os WLF têm centenas de membros, bases muito organizadas, militarizadas e autossuficientes, em que cada membro tem sua função. Mas assim como a Ellie, Abby também é movida por suas próprias ambições, incluindo a sede de vingança após ser vítima de uma tragédia anos antes.

A primeira coisa que vale comentar é a ousadia do roteiro em transformar uma personagem completamente desconhecida em uma das protagonistas jogáveis da história. Quando passamos a controlar a Abby e conhecer o cenário de The Last of Us a partir da perspectiva dela – e não de Ellie e Joel, nossos já amados personagens da franquia – sentimos quase como se estivéssemos traindo o universo que conhecemos. Afinal, a primeira vez que vimos Abby ela é mostrada como uma antagonista.


Porém, quanto mais a história avança, mais a Abby se mostra como uma personagem repleta de camadas. Por baixo da personalidade (e braços!) forte e da atitude de durona, existe uma mulher em pedaços, que lida com uma enorme perda e solidão. Uma personagem que busca por amor, por conexões emocionais, mas não consegue pela incapacidade de abandonar seu passado e a vingança.

E junto com o turbilhão de lutas, de clickers e de seitas religiosas intolerantes, The Last of Us 2 permite que a gente veja a Abby crescer como personagem, acompanhar seu arco de “redenção”, sua jornada que transforma seu jeito de ver as coisas e a evolução de sua personagem – que na minha opinião evolui muito mais que a própria Ellie.


E na real, Abby e Ellie são isso, o espelho uma da outra, a causa e a consequência de seus conflitos, perpetuando um ciclo que nunca vai parar até que uma delas dê esse primeiro passo. E a resolução da Abby é algo realmente lindo de acompanhar, do começo ao fim.

Agora que você já sabe bastante sem spoilers, que tal algumas curiosidades sobre a construção da personagem?


3 EM 1

Diferente de muitos games que se baseiam em apenas um modelo para a criação de personagem, Abby foi criada a partir de três bases diferentes: sua voz é da atriz Laura Bailey (famosa por seus papeis nos games World of Warcraft, Street Fighter, Uncharted, entre outros), o rosto é da artista Jocelyn Mettler (que inclusive trabalhou para a própria Naughty Dog na área de efeitos visuais <3) e o corpo é da atleta Colleen Fotsch – vale dizer que essa última informação foi dada por um dos roteiristas, mas depois não foi confirmada pela empresa.

VULNERABILIDADE

Na hora de criar uma personagem forte como a Abby, é necessário deixar claro seus pontos mais vulneráveis e o que a torna mais humana desde o começo. Foi pensando nisso que o roteirista Neil Druckmann adicionou uma série de falhas e traumas na Abby, incluindo sua acrofobia – o medo de altura.

SUCESSO PREMIADO

A atriz Laura Bailey, que faz a voz original da Abby, ganhou diversos prêmios de interpretação por esse papel, como Melhor Performance no The Game Awards 2020 e Melhor Performer em Papel Principal no 17th British Academy Games Awards.


E aí, curtiu? Não esquece que você pode indicar a sua Patroa favorita para aparecer por aqui, usando a hashtag #PatroaDaSemana nas redes sociais!


23 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo